Webmail
Search

A bondade de Cristo responde o clamor das nações.

A bondade de Cristo responde o clamor das nações.

Texto: Efésios 2:1-10

Introdução:

Temos experimentado em Cristo um dos mais belos sentimentos que a vida cristã é capaz de produzir quando se compreende o amor de Deus demonstrado na cruz. A virtude de ser solidário traz consigo a marca da bondade e da misericórdia de Deus em nosso favor.

Embora as motivações se diferenciem pelo caráter Santo de Deus e de sua incorruptibilidade, ainda assim nos assemelhamos a alguns de seus atributos comunicáveis que partilhamos com o nosso próximo. Embora a prática deste sentimento só seja possível porque o Senhor compartilha Sua graça com os pecadores e transborda a Sua bondade em nossos corações através de Seu Filho Jesus.

 

F.T.: A bondade de Cristo nos alcançou…

  1. I) Quando estávamos mortos em nossos pecados

(v.1): “Vocês estavam mortos em suas transgressões e pecados”. Não é uma morte física, muito menos um distanciamento da presença de Deus, mas sim uma morte espiritual. Paulo utiliza a expressão “cadáver”, termo este que descreve a condição de um corpo em decomposição, um cadáver cuja compreensão tornou-se obscurecida, as afeições desabilitadas e a consciência completamente cauterizada como é descrito no

(v.2): “nos quais costumavam viver, quando seguiam a presente ordem deste mundo e o príncipe do poder do ar, o espírito que agora está atuando nos que vivem na desobediência. ”

As nações precisam aprender sobre a maravilhosa bondade de Deus que, com sua compaixão e graça, ressuscitou o pecador da morte espiritual dando-lhe vida abundante por meio de Cristo Jesus.

 

F.T.: A bondade de Cristo nos alcançou…

  1. II) Quando éramos merecedores da ira de Deus

(v.3): “Anteriormente, todos nós também vivíamos entre eles, satisfazendo as vontades da nossa carne, seguindo os seus desejos e pensamentos. Como os outros, éramos por natureza merecedores da ira. ” Antes que a demonstração da bondade de Deus tivesse nos alcançado, todos, sem exceção, estávamos debaixo da ira de Deus. Isto porque tínhamos o “eu” como nosso Deus. Embora se soubesse da sua existência pela religiosidade e tradição familiar, ninguém tinha esperança em Sua vida – “vivíamos satisfazendo aos desejos de nossa carne…” andando em desobediência aos princípios de Deus – (Rm 3.23; 6.23) “Todos pecaram e separados estão da glória de Deus”; “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor. ”

O mundo precisa conhecer os valores do Reino de Deus por meio de sua bondade demonstrada na cruz. A ira merecida foi lançada sobre os ombros do Filho de Deus e, por meio de sua misericórdia, retirou a punição que estava sobre a humanidade.

 

F.T.: A bondade de Cristo nos alcançou…

III) Dando-nos vida (vs.4,5)

 

“Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, 5 – deu-nos vida com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões — pela graça vocês são salvos. ” A bondade de Deus transformou a culpabilidade que nos condenava por Sua ira em graça amorosa. De cadáveres em transgressões para redivivos em Cristo – “Pela graça vocês são salvos. ” Salvos da ira, salvos da condenação do pecado, salvos das garras de Satanás e salvos do inferno – (Col 3.13,14) “Quando vocês estavam mortos em pecados e na incircuncisão da sua carne, Deus os vivificou com Cristo. Ele nos perdoou todas as transgressões, e colocou o escrito de dívida, que consistia em ordenanças, e que nos era contrária. Ele a removeu, pregando-a na cruz. ”

A humanidade clama: Há esperança nesta vida? Respondemos a este clamor: Sim, a bondade de Deus nos deu vida abundante em Cristo – “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10.10b).

 

F.T.: A bondade de Cristo nos alcançou…

  1. IV) Assegurando-nos um lar celeste – (v.6,7)

 

“Deus nos ressuscitou com Cristo e com ele nos fez assentar nas regiões celestiais em Cristo Jesus, para mostrar, nas eras que hão de vir, a incomparável riqueza de sua graça, demonstrada em sua bondade para conosco em Cristo Jesus. ” Toda a bondade de Deus trouxe-nos vida. Ele nos ressuscitou com Cristo. De mortos e separados da glória de Deus, agora por meio de Seu Filho Jesus, Ele nos reconciliou com o Seu amor e trouxe a providência em Sua promessa: “Na casa de meu Pai há muitas moradas, se não fosse assim eu não lhes diria vou lhes preparar um lugar” (Jo 14.2). Esta promessa é a demonstração de Sua bondade para com você e comigo. É a incomparável riqueza de sua graça (v.7).

Os valores do Reino de Deus são demonstrados ainda nesta vida e garantidos pela promessa daquele que é fiel para nos assegurar um lar celeste. Todos precisam saber desta promessa.

 

F.T.: A bondade de Cristo nos alcançou…

  1. V) Por sua graça – (v.8)

 

“Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus. ” O Deus bondoso alcança o nosso coração com um favor imerecido demonstrado em amor sacrificial – (Rm 5.8) “Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores. ” Ou seja, não merecíamos nada de Deus a não ser a Sua ira, não tínhamos nada a oferecer senão afronta e atos de desobediência. Não éramos capazes de agradá-lo com toda nossa suposta bondade em forma de obras, pois nada disso seria suficiente para aplacar a Sua ira, pois não somos salvos por nenhuma obra: (v.9) “não por obras, para que ninguém se glorie”, mas tão somente e eficazmente por Sua graça.

Como filhos de Deus, trazemos a resposta ao clamor do mundo e aplicamos os valores do Reino de Deus através do evangelho da cruz na vida das pessoas. A bondade de Deus demonstrada em Cristo e Sua maravilhosa graça responde os anseios das nações na prática do amor na instrumentalidade da Igreja.

 

Ilustração

Pai eu tô com fome

Ricardinho não aguentou o cheiro bom do pão e falou: – Pai eu tô com fome!

O pai, Agenor, sem ter um tostão no bolso, caminhando desde muito cedo em busca de um trabalho, olha com os olhos marejados para o filho e pede mais um pouco de paciência: – Mas pai eu tô com fome!

Envergonhado, triste e humilhado em seu coração de pai, Agenor pede para o filho aguardar na calçada enquanto entra na padaria a sua frente. Ao entrar dirige-se a um homem no balcão: – Meu senhor, estou com meu filho de apenas 6 anos na porta, com muita fome, não tenho nenhum tostão, pois sai cedo para buscar um emprego e nada encontrei. Estamos indo à casa de um parente pedir ajuda, mas meu filho não consegue mais andar; Eu lhe peço, por favor, que me dê um pão para que eu possa matar a fome desse menino, em troca posso varrer o chão de seu estabelecimento, lavar os pratos e copos, ou outro serviço que o senhor precisar!

Amaro , o dono da padaria estranha aquele homem de semblante calmo e sofrido, pedir comida em troca de trabalho e pede para que ele chame o filho. Agenor pega o filho pela mão e apresenta-o a Amaro, que imediatamente pede que os dois sentem-se junto ao balcão, onde manda servir dois pratos de comida do famoso PF (prato feito): Arroz, feijão, bife e ovo.

Para Ricardinho era um sonho, comer após tantas horas na rua. Para Agenor , uma dor a mais, já que comer aquela comida maravilhosa fazia-o lembrar-se da esposa e mais dois filhos que ficaram em casa apenas com um punhado de fubá. Grossas lágrimas desciam dos seus olhos já na primeira garfada.

A satisfação de ver seu filho devorando aquele prato simples como se fosse um manjar dos deuses, e lembrança de sua pequena família em casa, foi demais para seu coração tão cansado de mais de 2 anos de desemprego, humilhações e necessidades.

Amaro se aproxima de Agenor e percebendo a sua emoção, brinca para relaxar: – Ô Maria!!! Sua comida deve estar muito ruim, olha o meu amigo está até chorando de tristeza desse bife, será que é sola de sapato?

Imediatamente, Agenor sorri e diz que nunca comeu comida tão apetitosa, e que agradecia a Deus por ter esse prazer. Amaro pede então que ele sossegue seu coração, que almoçasse em paz e depois conversariam sobre trabalho. Mais confiante, Agenor enxuga as lágrimas e começa a almoçar, já que sua fome já estava nas costas.

Após o almoço, Amaro convida Agenor para uma conversa nos fundos da padaria, onde havia um pequeno escritório. Agenor conta então que há mais de 2 anos havia perdido o emprego e desde então, sem uma especialidade profissional, sem estudos, ele estava vivendo de pequenos ‘biscates aqui e acolá’, mas que há 2 meses não recebia nada. Amaro resolve então contratar Agenor para serviços gerais na padaria, e penalizado, faz para o homem uma cesta básica com alimentos para pelo menos 15 dias. Agenor com lágrimas nos olhos agradece a confiança daquele homem e marca para o dia seguinte seu início no trabalho.

Ao chegar em casa com toda aquela ‘fartura’, Agenor é um novo homem sentia esperanças, sentia que sua vida iria tomar novo impulso. Deus estava lhe abrindo mais do que uma porta, era toda uma esperança de dias melhores.

No dia seguinte, às 5 da manhã, Agenor estava na porta da padaria ansioso para iniciar seu novo trabalho. Amaro chega logo em seguida e sorri para aquele homem que nem ele sabia porque estava ajudando. Tinham a mesma idade, 32 anos, e histórias diferentes, mas algo dentro dele  chamava-o para ajudar aquela pessoa.

E, ele não se enganou, durante um ano Agenor foi o mais dedicado trabalhador daquele estabelecimento, sempre honesto e extremamente zeloso com seus deveres.

Um dia, Amaro chama Agenor para uma conversa e fala da escola que abriu vagas para a alfabetização de adultos um quarteirão acima da padaria, e que ele fazia questão que Agenor fosse estudar. Agenor nunca esqueceu seu primeiro dia de aula: a mão trêmula nas primeiras letras e a emoção da primeira carta.

Doze anos se passam desde aquele primeiro dia de aula. Vamos encontrar o Dr. Agenor Baptista de Medeiros, advogado, abrindo seu escritório para seu cliente, e depois outro, e depois mais outro.

Ao meio dia ele desce para um café na padaria do amigo Amaro, que fica impressionado em ver o ‘antigo funcionário’ tão elegante em seu primeiro terno.

Mais dez anos se passam, e agora o Dr. Agenor Baptista, já com uma clientela que mistura os mais necessitados que não podem pagar, e os mais abastados que o pagam muito bem, resolve criar uma Instituição que oferece aos desvalidos da sorte, que andam pelas ruas, pessoas desempregadas e carentes de todos os tipos, um prato de comida diariamente na hora do almoço.

Mais de 200 refeições são servidas diariamente naquele lugar que é administrado pelo seu filho, o agora nutricionista Ricardo Baptista.

Tudo mudou, tudo passou, mas a amizade daqueles dois homens, Amaro e Agenor impressionava a todos que conheciam um pouco da história de cada um. Contam que aos 82 anos os dois faleceram em dias muito próximos.

Ricardinho , o filho mandou gravar na frente da ‘Casa do Caminho’, que seu pai fundou com tanto carinho: – Um dia eu tive fome, e você me alimentou.

Um dia eu estava sem esperanças e você me deu um caminho.. Um dia acordei sozinho, e você me deu Deus, e isso não tem preço. Que Deus habite em seu coração e alimente sua alma. E, que te sobre o pão da misericórdia para estender a quem precisar!!!’

Conclusão

 

O poder transformador que a Palavra Deus tem sobre aqueles agraciados por Sua bondade. Paulo resume esta ação graciosa da parte do Senhor ensinando a Tito a viver nesta esperança – (Tito 3.3-5) “Houve tempo em que nós também éramos insensatos e desobedientes, vivíamos enganados e escravizados por toda espécie de paixões e prazeres. Vivíamos na maldade e na inveja, sendo detestáveis e odiando-nos uns aos outros. Mas quando se manifestaram a bondade e o amor pelos homens da parte de Deus, nosso Salvador, não por causa de atos de justiça por nós praticados, mas devido à sua misericórdia, ele nos salvou pelo lavar regenerador e renovador do Espírito Santo. ”

 

Aplicação

Alguém já disse: “pregues, se necessário use palavras”. A mensagem mais poderosa que uma pessoa pode pregar é com a própria vida. Hoje muitas pessoas estão cansadas de ouvir de Jesus, elas estão querendo ver Jesus em nossas vidas. Por isso, hoje o Senhor lhe convida a tomar uma decisão corajosa de viver para a gloria dele. Experimente o poder de Deus e viva para Ele, assim você responderá o clamor das nações.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *